Descubra todas as frentes de decode

Desenvolvemos continuamente novas metodologias de coleta e análise de dados para compreender fluxos

Somo um laboratório multidisciplinar de pesquisa e inovação digital da Decode.

Signal vai ao topo de downloads após mudança de termos do WhatsApp

Share:

Compartilhamento de dados entre WhatsApp e Facebook está levando usuários a pesquisar alternativas para troca de mensagens.


Depois que o WhatsApp anunciou a atualização do Termo de Privacidade no último dia 6, só se fala do compartilhamento de dados dos usuários entre o app e o Facebook. De acordo com dados apurados pela Decode, empresa de dados e client acquisition, apenas 3% dos internautas brasileiros que comentaram sobre o tema acharam positiva a mudança. Além disto e ainda que o Telegram seja o mais citado como alternativa, o número de downloads de outro app mensageiro, o Signal, saltou para o topo da lista de mais baixados na Play Store.

Em comentários publicados no Twitter, 67% dos brasileiros que comentaram sobre o tema demonstraram-se desfavoráveis à mudança. O interesse em mudar de aplicativo apareceu em 34% dos tweets, enquanto 19% dos internautas declararam ter aceitado o termo sem ter lido.

Com a polêmica envolvendo a reestruturação da privacidade, o aplicativo de mensagens Signal ultrapassou o WhatsApp na lista dos mais baixados nas lojas de aplicativo. Atualmente, o Signal ocupa a primeira posição de mais baixados do momento na Play Store, ao passo que o WhatsApp encontra-se em 13º.

Ainda que esteja sendo muito comentada, a mudança não é tão drástica quanto aparenta, mas traz uma discussão saudável, especialmente no contexto da aplicação da LGPD – Lei Geral de Proteção de Dados no Brasil, explica Lucas Fontelles, Head de Consumer Insights da Decode. “Com a mudança da legislação, as empresas precisam do consentimento expresso dos usuários a respeito do modo como utilizarão seus dados. Isto traz mais transparência ao processo e poder de decisão para as pessoas, que talvez deixem de aceitar os termos sem saber do que se tratam”, comenta.